top of page

Cuidados no Pós-Parto: Como Manter a Saúde Durante o Puerpério

Atualizado: 23 de nov. de 2023

Descubra por que os cuidados atuais no pós-parto não são suficientes e aprenda como se cuidar durante o puerpério.

mae com bebe na almofada de amamentacao Cuidados no Pós-Parto

Você está se aproximando da data prevista de parto (ufa!), e até agora, provavelmente já preparou seu plano de parto, mas... você também tem um plano de cuidados pós-parto?


Antes de menosprezar a ideia, considere o seguinte: estudos mostram que o padrão de cuidados pós-parto está diminuindo, mesmo em países como os Estados Unidos. Na verdade, os Estados Unidos têm a maior taxa de morbidade materna no mundo desenvolvido.

Por quê? Condições perigosas, como a pré-eclâmpsia pós-parto, não são diagnosticadas, e o CDC estima que quase 40% das mães americanas com depressão pós-parto não recebem o cuidado adequado.


Devido a isso, é vital ter um plano para cuidados adequados para pós-parto.


Neste artigo, abordaremos:

  • Qual é o padrão atual de cuidados pós-parto e por que não é suficiente

  • Preocupações comuns de saúde que toda mãe pós-parto deve conhecer

  • Além disso, exploraremos como o plano de cuidados pós-parto pode te ajudar a manter-se saudável.

O Problema com os Cuidados Pós-Parto

Provavelmente você sabe que a maioria das mães do meio do século XX davam à luz em casa com parteiras. Após o parto, as parteiras continuavam fazendo visitas domiciliares para verificar tanto o bebê quanto a mãe.

Infelizmente, o modelo de cuidados mudou, e os profissionais de saúde tradicionais não fazem visitas domiciliares. Isso acontece apesar do fato de que, de acordo com a Reunião do Comitê do Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas (ACOG) em maio de 2018, as mulheres pós-parto deveriam:

  • Manter contato com seu obstetra/ginecologista durante as primeiras três semanas pós-parto

  • Discutir o cuidado do bebê, necessidades de sono e cuidados básicos com seu obstetra/ginecologista

  • Agendar uma avaliação pós-parto abrangente entre seis a 12 semanas pós-parto, que se concentre em todas as necessidades da mãe: físicas, sociais e psicológicas

  • Revisar as necessidades de recuperação física com seu obstetra/ginecologista

  • Analisar as necessidades mentais e emocionais com seu obstetra/ginecologista

  • Discutir as necessidades de saúde atuais (incluindo nutrição e manejo de condições crônicas e necessidades de saúde sexual)

Mas esses padrões nem sempre são atendidos.


Aqui está o que realmente acontece...

Muitas mulheres deixam o hospital rapidamente com informações limitadas sobre como cuidar de seus corpos e quais sinais de alerta requerem uma ligação ao obstetra/ginecologista ou à parteira.

Uma vez em casa, ela provavelmente não falará com seu médico até uma consulta de seis semanas, que pode incluir o seguinte:

  • Verificação de peso

  • Aferição da pressão arterial

  • Triagem para depressão pós-parto

  • Exame pélvico

  • Discussão sobre controle de natalidade

Mas, infelizmente, muitas dessas consultas são apressadas e se concentram na última parte: discussões sobre controle de natalidade. Com muita frequência, as mães não recebem orientação sobre nutrição pós-parto, necessidades físicas ou necessidades de saúde mental.


Por que isso é um problema?


Segundo a Organização Mundial da Saúde, a maioria das mortes maternas está relacionada a hemorragias e infecções após o parto .

E não apenas nas primeiras 24 horas após o parto. Estatisticamente, as mulheres têm maior probabilidade de morrer alguns dias a algumas semanas após o nascimento. ( fonte )



Por que você precisa de um plano de cuidados pós-parto

Todas as mães merecem muito mais.

Estamos hiper vigilantes em verificar o bem-estar do bebê (e com razão!), mas precisamos fazer o mesmo com as mães.


Qualquer atleta corredor de maratona sabe que a corrida é importante – mas também sabe o quão importante é a recuperação. O parto é uma maratona e o pós-parto é quando as mamães se curam. Durante esse período de recuperação (nossas avós chamavam isso de resguardo), podem ocorrer alguns problemas de saúde relacionados com o pós-parto (minhas ancestrais chamavam de recaída - e não, você não vai ficar louca!).

  • Pré-eclâmpsia pós-parto : A pré-eclâmpsia e a eclâmpsia são frequentemente consideradas condições pré-natais, mas é possível desenvolver pré-eclâmpsia pós-parto. É uma condição rara caracterizada por pressão alta e proteínas na urina após o parto. Dores de cabeça, inchaço intenso e visão turva podem ser sinais de alerta de pré-eclâmpsia.

  • Hemorragia pós-parto : É normal sangrar após o parto, mas perder mais de 1.000 ml de sangue nas primeiras 24 horas pode ser sinal de hemorragia pós-parto. Coágulos sanguíneos (maiores que uma bola de golfe) e sangramento intenso (que enche uma almofada em uma hora) também podem ser sinais de hemorragia.

Estas duas condições são graves, mas não são as únicas preocupações de saúde. As mamães pós-parto também devem saber sobre outras condições, como:

  • Condições cardíacas e doenças cardiovasculares: A cardiomiopatia pós-parto (o que significa que seu coração não está bombeando com força suficiente) pode ocorrer até cinco meses após o parto. (fonte)

  • Coágulos sanguíneos: O risco de coágulos sanguíneos graves (como na perna) estende-se três meses após o parto. (fonte)

  • Dor pélvica causada por prolapso de órgão pélvico: Um prolapso de órgão pélvico refere-se a um dos órgãos pélvicos (por exemplo, útero, bexiga e/ou intestino) que sai de sua posição normal e desliza em direção à vagina. Essa condição pode afetar sua capacidade de usar o banheiro confortavelmente, mas também pode contribuir para dores nas costas e incontinência.

  • Diástase retal: Essa condição refere-se à separação dos músculos abdominais. Isso acontece naturalmente durante o parto, mas a lacuna nem sempre retorna ao normal. Uma lacuna maior que 2,7 centímetros é considerada diástase do reto. Isso pode causar a "barriga de mãe", mas também pode contribuir para a incontinência.

  • Problemas de recuperação de cesariana, como infecção (que pode levar à sepse), dor e atraso na cicatrização.

  • Cefaleia pós-raqui: é uma dor de cabeça que surge após uma anestesia raquidiana, que pode ser corrigida com uma grande ingestão de água, medicamentos ou tamponamento sanguíneo peridural

  • Depressão pós-parto : A depressão pós-parto é um transtorno de humor que se desenvolve em mulheres no pós-parto devido a alterações nos níveis hormonais. É caracterizada por sentimentos de tristeza, raiva, dificuldade de concentração e até falta de interesse pelos seus hobbies favoritos.

  • Ansiedade pós-parto: assim como a depressão pós-parto, a ansiedade pós-parto afeta as mães logo após o parto. A ansiedade pós-parto é caracterizada por uma preocupação intensa que afeta sua vida diária. Estudos mostram que mais mulheres têm ansiedade pós-parto – impressionantes 17% das mulheres pós-parto!

Criando seu próprio plano de cuidados pós-parto


Então, o que você pode fazer com esse conhecimento? Além de usar essas informações para se capacitar, você pode criar um plano de cuidados pós-parto para garantir que seu corpo e sua mente permaneçam o mais saudáveis ​​possível. Veja como:


1. Estoque o essencial

Antes da data prevista para o parto, considere abastecer sua casa com seu próprio kit pós-parto. Absorvente gelado, refeições congeladas, frutas secas, oleaginosas e lanches fáceis de pegar (banana salva muito) são apenas algumas coisas que facilitarão sua recuperação.


2. Descanse

Vivemos em uma sociedade agitada, mas depois que você tem um bebê, seu corpo precisa de descanso – e muito descanso. A maioria das mães precisa de 30 a 40 dias de descanso e cuidados. Estudos mostram que a maioria das mães não está preparada para esse período, por isso é importante planejar o descanso. Isso não apenas dá ao seu corpo e mente tempo para se curar, mas também permite que você tenha bastante tempo para se concentrar no seu bebê e amamentá-lo em paz, quando necessário.

Para ter certeza de que você terá o descanso que merece, considere contratar uma doula pós-parto. Amigos e familiares também podem ser essenciais ​​durante esse período.


3. Defenda você mesmo

Você não precisa esperar até o check-up pós-parto de seis semanas para consultar seu médico. Converse com seu médico sobre o check-in antes das três semanas. Isto é especialmente importante se você tiver outros problemas de saúde não relacionados à gravidez e ao parto.

Se você suspeitar de algum problema durante o período pós-parto, não tenha medo de mencioná-lo ao seu obstetra ou parteira. Você conhece melhor o seu corpo e sempre pode buscar uma segunda opinião. Mesmo que tudo acabe bem, a paz de espírito pode ser inestimável.

Mesmo que você precise de cuidados logo após o nascimento, você continuará precisando de cuidados por um ano inteiro (sim, a recuperação do parto pode levar um ano inteiro!), então não sinta vergonha de consultar seu médico ou parteira com mais frequência. É especialmente bom lembrar disso se você sentir que algo está errado.


4. Respeite o Resguardo

Nossas avós ainda defendem o resguardo como um período essencial para recuperação da mãe que acabou de parir. Por mais que alguns hábitos possam não se aplicar mais atualmente, como ficar 40 dias sem lavar o cabelo (hoje temos chuveiro com água quente e secador) é um período em que a mãe recém-parida está se regenerando de uma ferida no útero e precisa cuidar de um bebê recém nascido e amamentá-lo.

avo cuidando da mae amamentando sua filha no pos parto

Então, ficar confortavelmente em casa, evitar pegar vento e contado com pessoas doentes, podem ajudar na recuperação da mãe e proteger a mãe e o bebê de possíveis doenças.

Nas culturas asiáticas, isso é conhecido como zuo yuezi , que se traduz como “confinamento”. O zuo yuezi refere-se aos primeiros 40 dias após o parto, em que a mãe fica confinada em casa. Este é um período de confinamento em que a mamãe se acomoda em casa, descansando e comendo alimentos quentes. A maior parte do tempo é gasta amamentando, criando vínculos com o bebê e descansando.


5. Priorize alimentos nutritivos

Embora você possa estar ansiosa para perder o peso do bebê, este não é o momento de se concentrar na perca de peso. Deixe a comida ser o seu remédio. Alimentos nutritivos podem ajudar a curar o corpo, promover a produção de leite materno e fornecer energia. A comida também desempenha um grande papel no apoio à sua saúde mental! Um estudo descobriu que os suplementos ajudaram a reduzir o risco de depressão pós-parto.


6. Rede de Apoio

Você conhece a frase: é preciso uma aldeia para criar um filho. É preciso uma aldeia só para se recuperar do parto, e não há vergonha em pedir ajuda. Aqui estão algumas ideias que você pode usar ao criar seu plano pós-parto:

  • Contrate uma doula pós-parto

  • Peça a amigos ou familiares para prepararem refeições para você (ou contrate um serviço de entrega de marmitas).

  • Peça ajuda a amigos com tarefas específicas (como comprar mais absorventes e fraldas, para que você não precise se aventurar no mercado enquanto ainda se recupera).

  • Peça a um amigo ou familiar para segurar seu bebê enquanto você cuida de si mesma (como tomar banho de assento, tomar banho ou até mesmo tirar uma boa soneca).

  • Chame uma amiga para conversar enquanto você amamenta seu bebê (às vezes, apenas estar presente com outro adulto é reconfortante)

  • Providencie para que outra pessoa leve vocês nas consultas de acompanhamento.

  • Contrate alguém para cuidar das tarefas domésticas (pelo menos durante o período inicial de pós-parto).

  • Peça ajuda à sua parteira ou ginecologista se estiver enfrentando problemas de saúde mental após o parto.

Pedir ajuda é uma das coisas mais corajosas que você pode fazer e, às vezes, é a única maneira de encontrar tempo e energia para realmente cuidar de si mesma.


E você?

Você fez um plano de cuidados pós-parto? O que você incluiu em seu plano de cuidados? Escrito por Genevieve Howland - Mama Natural

Tradução e adaptação por Karol Thomsen - Mamãe Goodvibes

Comments


bottom of page